domingo, 28 de julho de 2013

Esse Papa é Pop


Vejo como mais importante que a definição de uma religião, o conceito que vêm com todas elas.

Que é a consciência do algo a mais que o físico ou mundo material.

Com a evolução da ciência o homem passou a crer que a ciência lhe responderia ou daria conta de tudo.

A ciência só pode dar conta do que é do âmbito e passível de ciência.

“Há muito mais entre o céu e a terra do que pode compreender nossa mera filosofia” (William Shakespeare).

Talvez a maior descoberta de toda História da ciência, seja justamente o seu limite.

Sempre pode haver descobertas cientificas sobre o que até então não era sabido.

Mas, sempre é sabido que não se sabe nada. Mesmo quando pensamos saber.

O homem vive no mundo que pode perceber e entender apenas.

Toda ciência antes de mais nada é apenas foco.

Deus seria então todos os focos.

Impossível de ser compreendido pelos homens.

A ideia da meditação do oriente é justamente não pensar em nada, para se aproximar de Deus.

Com a “mente limpa” seria uma forma análoga de contato com todos os focos.

Como nunca podemos olhar em todas as direções e focos, com a “mente limpa” é uma forma de incorporarmos aos focos.

É a máxima do nada que é igual ao tudo.

A religião, seja qual for, é uma forma de assumirmos essa humildade perante Deus. Nos reposicionando apenas como parte do todo.


                       Rodrigo Jorge Bucker – Niterói 2013