quarta-feira, 10 de julho de 2013

Educação X Repressão, Qual a Solução?




O que é a violência?

Basicamente a violência é o ato de reivindicar sem consciência.

E a única e absoluta solução é sempre a educação.

A educação e a arte são molas centrais de toda sociedade.

Ao contrário do que vemos pensar hoje, a arte é a maior e melhor forma de educação.

Não é apenas sentado e preso nas salas de aulas, tendo aulas entediantes e sem propósitos, que estamos à fazer educação. Ao contrário, isso já induz a um pensar repressivo.

A educação tem que ser prazerosa.

A cultura tem que dar vontade de ser consumida como um lanche saboroso.

As mídias deveriam colaborar aí.

Temos que ver que educar é o oposto de formatar, congelar. Educar é antes de tudo formar um ser pensante e questionador dos próprios valores.

Não que isso seja viver em dúvida, mas maravilhosamente com a certeza dela.

A dúvida congela, a certeza dela liberta.

Hoje vivemos um momento em nosso País e no mundo de tamanha violência nunca visto antes.

E por quê?

Fomos sugestionados a crer, que seria sempre a tecnologia e a ciência hard que nos traria a paz.

Mas estamos quebrando a fuça a cada ano e dia.

O que está errado?

O sistema.

O sistema hierárquico dava conta de manter algum controle social enquanto a população era menor e menos articulada. Assim, a repressão e falta de educação servia aos interesses dos poderosos muito bem, ao menos momentaneamente. Pois era só conduzir a “manada” para onde lhes era conveniente.

Todo governo na realidade fomentou e ainda fomenta a “castração mental” da população, para ter certo controle sobre.

Mas isso nunca deu certo e nunca dará.

Seres humanos são dotados de insatisfação inconsciente.

O instinto maior de um homem é ser livre.

Quanto maior o cerco maior a trama.

Enfim chegamos aqui. Numa guerra civil.

Onde justamente o povo clama, vezes de forma violenta e inconsciente, seus direitos. Ora, estão lá escritos na constituição. Agora eles sabem ler. E aí?

E aí? É ora de cumprir o que está literalmente escrito lá.

“Todo cidadão tem direito a educação e saúde. A ser livre etc.”

Enfim, o povo quer o que é seu.

Maravilhosamente estão nas ruas, vezes badernando, como parece muitas vezes num primeiro olhar, mas num apreciar mais profundo, estão gritando pelo que sempre deveria estar em suas mãos: Seus direitos.

Toda violência social é uma forma inconsciente disto.

Até mesmo um estupro pode ser um ato inconsciente de: “Eu deveria ter uma namorada” etc.

Por isso a educação chega e diz: “Se não tens namorada agora, terás quando aprender a cortejar uma dama”.

O estupro pode representar a caricatura de um “roubar” do amor que lhe foi negado. Um indivíduo que não foi literalmente abraçado por sua pátria mãe.


Um assalto à mão armada: Pode simplesmente ser o manifesto da fome, ou o desespero de saber que amanhã o seu filho não terá leite.

Não descarto a crueldade ou maldade no ser humano. Pelo contrário, tenho cada vez mais a percebido em todos os âmbitos da vida humana.

Mas, é inegável a causa social em quase 99% dos casos.

A única solução, caros amigos, é fazermos o que nunca foi feito.

A educação.

Se repressão desse certo, já estaríamos num paraíso.

A polícia e a repressão são sinônimos de “falta de educação”.

O “politicamente correto” seduz num primeiro instante, pois parece resolver um pouco, mas não passa de uma repressão mascarada, meio atenuada.

Cartilha nenhuma no mundo pode substituir a educação.

Kit nenhum do mundo pode substituir a educação.

Psiquiatria nenhuma do mundo pode medicar o social e substituir a educação.

E por fim, educação nenhuma do mundo pode substituir a ARTE.

A arte é a educação suprema.

A arte é a educação da educação.

Obrigado amigos.

Emocionado...


                      Rodrigo Jorge Bucker – Niterói 2013