segunda-feira, 30 de abril de 2012

Camaleão Político

Na igreja eu como Ostia.
Na missa eu sou vigário.
Pra ganhar seu voto eu saio ou entro do armário.

Na igreja eu como Ostia.
Na missa eu sou vigário.
Não sou nenhum otário.
Pra ganhar seu voto viro peixe e moro até num aquário.

Na igreja eu como o padre.
Na missa assalto até o vigário.
Pra ganhar seu voto eu finjo o bom e até o otário.

Na igreja eu finjo o padre.
Na missa chamo o vigário de otário.
Pra ganhar seu voto viro até pedófilo ou durmo com o necrófilo dentro do armário.

Na igreja eu chamo o padre,
e tomo todo o vinho do vigário.
Pode me chamar de corrupto,
mas não de otário.

Eu sou o político sim senhor.
Se me prenderem, construo uma mansão onde agora é prisão.

Ai ai ai político safado me distrai.


                        Rodrigo Jorge Bucker – Niterói 2012





Poesia Antidepressiva

Toda vez que uma linda mulher te desprezar 
e te vetar,
lembre que ela também vai no banheiro cagar.

Toda vez que seu dinheiro acabar,
lembre que isso faz amanhã você ter que se mexer para novamente ganhar.

Toda vez que pensar que o mundo vai acabar,
pense que seu chefe também vai evaporar.

Toda vez que perder o sono a noite,
lembre que é melhor não dormir do que ver sua casa cair.

Toda vez que lembrar que podia ser rico,
lembre que ao chegar lá pode não saber onde gastar.

Quando pisar numa bosta,
não se esqueça que é você quem está por cima.
Então sorria não perca a rima.

Toda vez que lembrar que deveria ir naquela festa de burguês,
lembre que ao menos vai comer outra vez.

E toda vez que te assaltarem,
Imagine uma doação involuntária 
elaborada por Deus nosso senhor. 
E quando seu rabo enrabarem,
não se esqueça que sem vaselina seria muito maior a dor.
E finalmente, quando acabar de ler essa merda aqui,
ria muito sim senhor!

E lembre, que se Deus não fosse o maior humorista do mundo, 
não teria nos feito com tanto prazer ao sorrir.
E é lógico, 
não nos teria dado essa cara 
de macaco meio arrumado.


                        Rodrigo Jorge Bucker – Niterói 2012

Na Sua Mão

Quem anda na contramão 
corre o risco de bater de frente contra a multidão.

Mas pode ser que tenha mais cabeça e os pés no chão.
Por isso pareça na contramão.

Mas afinal quem vai na mão?
Afinal o que é certo então?

Não tenha medo não meu amigo, 
de andar na contramão.
Pode ser que depois todos sigam a sua direção.

Mas se não...
Sem problemas, 
você está na sua.
Na sua mão, intenção e direção.
E sempre respeitando a lei então.
Estar na sua mão,
nunca quer dizer ilegal irmão.

Isso é ser livre então.
Estar na sua direção e com boa intenção.

Seguir o fluxo é o mais fácil para muitos.
Menos gasto energético.
Quase osmose.

Enfim uma overdose do mesmo.
O mesmo é bom, 
mas se muito igual acaba com qualquer astral.
É isso aí pessoal.

                
                   Rodrigo Jorge Bucker – Niterói 2012

---------------------------------------------------------------------------------

In his hand (Music)

 
Who walks in the opposite danger of hitting its head against the crowd.

But you may have more head and feet on the ground.
So look in the opposite direction.

But after all who goes in hand.
After all what is right then.

Do not be afraid not my friend walking in the opposite direction.

It may be that after all follow your direction.

But if not.
No problem, you're on your own.
In its intention and direction.

This is to be free then.
Being in his direction and with good intention.

Following the flow is easier to many.
Less energy expenditure.
Almost osmosis.

Finally an overdose of the same.
The same is good, but it ends up much the same with any mood.

That's it folks.


                 Jorge Rodrigo Bucker - Niterói 2012

quinta-feira, 26 de abril de 2012

A Formiga e a Cigarra (Politicamente Correto)

Eu trabalho pra caralho e essa porra de cigarra não faz nada.

Eu ralo pra cacete e ela é que vive sorrindo e curtindo.

Eu ganho dinheiro com meu suor e ela é quem parece melhor.
                                                                                 
Que porra de cigarra é essa!?    

Vai se fuder! Você vai ver!

Um dia vai querer comer e não vai ter.

Passaram 15 anos então...

A formiga saiu pra trabalhar nesse dia 
e de repente percepeu que não mais ouvia aquela música da tal "vadia".

Primeiro ela sorriu e sem culpa gritou:

Viu sua puta! 
Não disse que ia morrer.

Passaram alguns minutos e tudo quieto...

A formiga começou a perceber algo estranho... 
O que lhe movia todos os dias ao trabalho, e a mantia ali trabalhando duro, era aquele som, um som... um tanto maduro e profundo. 
Esse som parecia clarear 
o escuro no qual a formiga ia trabalhar todo dia antes do sol raiar.

O som da cigarra! Pensou ela, e gritou:
Maldita cigarra!
hhhhaaaaaaaaaaaaaa....!

A formiga se desesperou e gritou muito alto:

Me desculpa! Me desculpa!

Sua puta, não morra!

Correu pra casa da cigarra...
E quando lá chegou a encontrou caída no chão.
E indagou a ela:

O que faz aqui no chão?

Foi então que a cigarra riu, olhou pra formiga e disse:

Só canto pra quem tem coração 
e sabe o valor da minha canção!
Só canto pra quem vi agora em pranto 
molhar o chão por mim então!
Sempre cantei pra você poder trabalhar e ajudar do meu jeito 
a nos sustentar. 
Sempre soube que não ia aguentar 
trabalhar um dia se quer 
sem dançar.

Qua qua qua...
Vamos bailar!!

Então hambas aprenderam que trabalho não é apenas o evidente 
e sacrificado aparente.
E que como toda gente, 
vivem em sociedade, e ninguém pode dizer onde o calo de cada uma aperta mais.

"O gramado do vizinho sempre parece mais verde". 

Mas é que simplesmente está mais longe da visão do outro, que apenas o vê por cima do muro.
Podem acreditar a vida é dura para qualquer um, 
e a única bravura 
é cada um ficar na sua loucura.


             Raulzito S. Além - Rio de Janeiro 2012







segunda-feira, 23 de abril de 2012

A Resposta da Dúvida

O que nos move realmente não são as respostas, 
mas as perguntas.

A tentação da certeza nos faz ir em busca da resposta 
mais suposta justa.

Mas a vida é linda 
e nos coloca novamente na berlinda.

Assim como o bebê chora e aposta no conforto da mamadeira,
o homem chora, 
e aposta 
no suposto conforto 
da resposta mais notória.

Mas querendo ou não algo não para de se mexer.
Algo que as vezes lhe faz varar a noite até o amanhecer.

Descobrindo-se criança novamente, 
atrás dessa mamadeira eloquente,
nos damos conta da gente.
E só assim somos inteligentes.

Muitos desistem de tudo ao perceberem esse nível da vida 
que pode soar meio imundo.
Mas os que persistem são envolvidos de um ar divino e profundo.

Quando um homem agride um outro é na verdade um “soco” 
em seu próprio rosto.
Um soco na sua vaidade moral 
que sem saber é o seu próprio mal.

Jesus disse: "de a outra face".
É algo assim.
Ou chegamos ao fim.

Pois Gandhi também disse:
"Olho por olho e o mundo terminará cego".
É algo assim. 
Assim mesmo até o fim.

Quando um não quer dois não brigam.
Essa é a verdade. 
Deixo que digam.

A razão imediata do homem que está com dor,
é a raiva sim senhor.
Mas ao recorrer a sua razão 
com amor e paixão,
verá o engano ao que a vingança pode levar então.

Davi venceu Golias 
não foi a toa não.

                   Rodrigo Jorge Bucker – Niterói 2012

sexta-feira, 13 de abril de 2012

Politicamente Louco

Ser feliz não é doença não.
Não é só com drogas que se pode rir meu irmão.

Ao contrário. 
Tire a sua felicidade do armário, 
se esse for o seu caminho e necessário.

Quero paz e amor no coração.
Vem aqui então 
piriguete de araque sem paixão.
Me de aquela injeção 
que vai direto no coração, 
e deite comigo em minha cama 
com muito tesão.
Quem sabe não casamos então.

Nada disso que digo é em vão, 
aprendi a conhecer o poder do amor no coração.
Nem todo político é bom não.

Se não fazes nada ilegal ou contra os outros, 
nada nem ninguém pode lhe dizer como deves se comportar, 
vestir 
ou andar.
Isso tem nome e lugar, 
é PRECONCEITO!
E há de acabar.

Ninguém pode aceitar ser julgado por sua aparência seja ela qual for, 
ou por sua cor, 
pois isso tem nome, 
é hipocrisia social 
e nunca marginal, 
sim senhor.

Os piores bandidos e mais "fedidos" 
estão vestindo ternos caros 
e morando em Brasília, 
a nossa Capital.
Imoral! 
O sonho da burguesia sempre foi lhe tornar um escravo alto astral.

Querem que trabalhe como um condenado 
e ainda seja medicado 
para não perder o sorriso pago.
Pago pelo "senhor feudal" 
nojento e imoral.
"Senhor feudal" que sempre pensa no capital 
e vende a sua própria alma no final.

A grande diferença entre ser político e ser político e poeta é a HUMANIDADE inerente ao segundo, 
sem vaidade. 

Todo risco causa emoção.
E não existe poesia só de razão.
Só razão = morte.
Só emoção = morte.
Sempre o caminho do meio é a solução.

Aqui é minha poesia e nunca em Brasília, 
o maior hospício que nunca pensei, 
mas existia.

Lá sim se rasga muito dinheiro, 
inclusive o seu, 
o meu 
e até do fulano pedreiro.

Lá as camisas de força são sempre os terninhos arrumadinhos 
e engomadinhos. 

Lá sim se mata muita gente 
de forma psicopata arrumada 
e eloquente.

Quem são os loucos aqui então minha gente?
Arte não é loucura,
e sim bravura.
Infelizmente a politica se tornou desbravura.
Sem ternura 
e com fissura 
de se ganhar dinheiro.


                     Rodrigo Jorge Bucker - Niterói 2012

quarta-feira, 11 de abril de 2012

A Volta

Quando cogitar que tudo está perdido,
é justamente onde Deus vai lhe segurar a mão e dar abrigo.

Quando der ouvidos a sua razão,
e não ligar para os risos dos covardes sem amor no coração, 
vai encontrar Deus então.

Quando recuperado de toda emoção, 
suspirará a sua paixão.

E quando então olhar para o céu,
verá a si mesmo refletido em nuvens e nos seus véus.

Terá então chance de conhecer Deus.
E se entregar como mero homem de alguma razão.

Não tenha medo de ter medo. 
Nunca tenha medo de ter medo de nada nessa vida.
Todo medo serve justamente para proteger a vida.

E na verdade, 
o homem entenderá que o mal apenas está a serviço do bem.
No sentido de fortalecê-lo.
Amém!

                       Rodrigo Jorge Bucker - Niterói 2012

segunda-feira, 9 de abril de 2012

Poesia do Sistema

O socialismo é esquizofrênico
O capitalismo é psicopata
O jeito como sempre é o caminho do meio
O jeito é o social democrata

               
                           Rodrigo Jorge Bucker - Niterói 2012

sexta-feira, 6 de abril de 2012

O ETvindo é fogo

Hoje vi um ser bizarro.
Ele saía de uma caixa de aço,
e correndo por um corredor estreito chegava numa sala,
onde esfaimado, arrancava pedaços grandes de um outro ser já morto e roxo.
E fazia isso intercalando sua mastigação com goles de um líquido preto, exalando gases a cada gole.
Fiquei apavorado e voltei para marte bem rápido naquela noite. 
Uuuffffffff!!

Tradução humana: Apenas um mero executivo saindo do elevador, entrando em sua sala, e fazendo um lanche com sanduíche de presunto e coca-cola. 

A loucura sempre depende do foco, do ponto de vista de quem olha.
Para ETvindo o executivo era louco, para o executivo ETvindo era o louco, estranho e perigoso. A única possibilidade de se relacionarem era a ética e respeito pelas diferenças alheias.

                                   ETvindo - Niterói 2012

Mulher Gostosa - Alberto Carreteiro [P/ > 18 anos]

Ontem peguei uma mulher, 
mas que mulher.
A bunda ia quase até o pé.

O pé era tão lindo 
que me deixou sorrindo 
e de bicho em pé.

O peito realmente, 
realmente me deixou sem jeito.

O cabelo, 
ai meu Deus que pelo.

O cabelo bateu no meu rosto 
e me encheu com aquele cheiro 
de shampoo de acabou de sair do chuveiro.

Ela olhou pra mim 
e me senti devorado por uma gorda comendo pudim.

Ai ai ai se eu te pego.

Se eu te pego ia te chupar como um caramelo.

Ia te lamber 
como um sorvete que me faz ferver.
Ia realmente te fuder.
Fuder até o amanhecer, 
vai ver.

Cadela no cio, vadia, puta, gostosa, 
linda e esplendorosa. 

O macho xinga pois não sabes compreender 
como tanta beleza lhe faz amar e logo sofrer.

               
               Alberto Carreteiro - Niterói 2012

quinta-feira, 5 de abril de 2012

Pequenas Grandes

Todos os dias nasço e morro 
e ninguém houve meu socorro.

E nem podem ouvir. 
Essa é a arte do existir.
Mas não nos cabe desistir, 
ou não insistir.

Temos que ouvir o sopro do vento divino 
que sopra la dentro e fora de cada indivíduo.

Quem não tem cão faz o gato rosnar Iaia.

Assim vamos chegar lá.
Assim continuamos a sonhar e a vida iremos encarar 
e conquistar.

O que que há Iaia?
Você pode até me matar, 
mas não me fará deixar de acreditar,
de sonhar, 
de planejar 
ou de pestanejar após o jantar.

Acreditar no amanhã e firmar no hoje aquele samba que me boli o peito e me faz delirar de amar.

O samba é o batuque estendido do meu coração 
ao tambor da mais forte bateria 
com emoção! 

Carregue essa energia.
Energia que nos protege de toda fria.

Deixe estar Iaia, 
um dia chegamos lá.

                
                   Rodrigo Bucker – Niterói - 2012